Consolador Prometido

Primeiro Momento:

- Entreguei a todos uma caixinha e dentro dela havia uma bala e um pedaço de papel. Pedi para que eles pensassem o quanto é bom ganhar presente, mas que há muitos presentes que não são materiais, como um carinho, a amizade, (...) e boas palavras.

- Pedi então para que eles pensassem numa situação em que estavam tristes, ou com um problema e que escrevessem no papel o que gostariam de ter escutado naquele momento e não escutaram (orientei para que se por acaso tivessem escutado o que gostariam para escreverem também, mas não houve esse caso). Não pedi para se identificarem.

Segundo momento:

- Depois, coloquei os papéis dentro do saco e fui lendo. Foi muito legal porque, mesmo sem identificação eles ficaram à vontade para assumir que tinham escrito e conversar sobre a situação. Para alguns, foi até momento de desabafo. Após essa conversa, perguntei a eles onde podemos achar consolo sempre, mas principalmente nesses casos onde não o encontramos nos familiares, amigos, etc. Todos mencionaram a Doutrina Espírita.

Terceiro momento:

- Adaptei o texto sobre as três revelações retirado do site do Centro Espírita Maria Angélica http://www.cema.org.br/livros/Aula_02.doc e debatemos as seguintes perguntas:

1)      O Espiritismo realmente seria o Consolador prometido por Jesus? Por quê?

2)      Você alguma vez já encontrou consolação na Doutrina Espírita?

3)      Você acha possível encontrar consolo em momentos dolorosos como a tragédia com a avião da TAM?

Foi uma aula bem legal (a duração é de 1h 30min), feita inicialmente com uma Mocidade, mas pretendo adaptá-la para usar com outro grupo de terceiro ciclo.

Corrida da Vida

Jogo: Corrida da Vida

 (dividido em vários posts)

 

Como fazer:

Para fazer o tabuleiro, copie a imagem para um editor de texto (Word, por exemplo) e redimensione para o tamanho desejado. Eu tirei cópia no papel A3 para ficar maior. Caso não seja possível, imprima e cole em papel mais duro, como cartolina, papel cartão etc.

Os peões e o dado foram reutilizados de um jogo de tabuleiro que tinha em casa.

 

 

Imagem original: http://www.lanavision.com/walcestari/images/docs/aplicacao_de_conhecimentos/corrida.html

 

Regras do jogo:

Após decidir quem iniciará a partida, joga-se o dado. O evangelizando andará o número de casas correspondentes.  As casas em preto trazem perguntas relacionadas ao cotidiano (ver abaixo). Dependendo da resposta, há um prêmio ou uma punição.

Perguntas:

4 – Você está com a viagem dos seus sonhos marcada, mas com o caos nos aeroportos, ela está por um fio. O que você faria numa situação assim?

a) Torceria para conseguir viajar (Fique onde está)

b) Discutiria com o funcionário da companhia área, pois é obrigação deles arrumar um vôo para você (Volte 2 espaços)

c) Não há nada a fazer (Fique onde está)


8 – Na escola, todos tiram sarro de um colega. O que você faz?

a) O mesmo (Volte 2 espaços)

b) Tento convencer o pessoal a parar, pois sei que ele fica ofendido e chateado (avance 3 espaços)

c) Nada (Fique onde está)


16 – Com que freqüência você come salada e outros elementos saudáveis?

Sempre (Avance 2 espaços)

Nunca (Volte 2 espaços)

Às vezes (Avance um espaço)


21 –  Fazer perguntas da aula anterior.

Certo – Avance 3 espaços

Errado – Volte 2 espaços

 

(continua)

Corrida da Vida (cont)

26 – Você briga com seus irmãos?

Não (Vá para a casa 30)

Só quando ele(a) começa (volte 2 espaços)

Todo dia e toda hora (Volte para a casa 22)


35 – Na escola, você:

a) Só presta atenção nas aulas que você gosta. Nas outras fica conversando e brincando com os colegas. (Volte 3 casas)

b) Procura prestar atenção em todas as aulas (Avance 3 casas)

c) Não presta atenção em nada. (Volte para a casa 27)


39 – Quando você é contrariado, você costuma xingar as pessoas?

a) Sim (Volte 2 casas)

b) Não (Avance uma casa)

c) De vez em quando (Volte uma casa)

 

43 – O que você acha de brincadeiras como tirar a cadeira antes do outro sentar?

a) Não faço, mas acho engraçado (Volte 2 casas)

b) Não gosto desse tipo de brincadeira (Avance uma casa)

c) Gosto e faço (Volte um espaço e perca uma rodada)


45 – Fazer perguntas da aula anterior.

Certo – Avance 3 espaços

Errado – Volte 1 espaço


49 - Você descobre que tem como abrir o cofrinho do seu irmão sem precisar quebrar e sem precisar de chave. O que você faria numa situação assim:

Nada. O cofre não é meu. (Fique onde está)

Pegaria só umas moedinhas de vez em quando. Não iria fazer falta (Volte 3 casas)

Pegaria dinheiro, mas avisaria depois. (Volte uma casa)


53 – As regras de trânsito são aplicáveis a motoristas, ciclistas e pedestres.  Ao atravessar a rua, você:

a) procura atravessar no sinal, nas passarelas, optando pelo mais seguro (avance 2 espaços)

b) atravessa em qualquer lugar. Se não houver sinal, corre. (perca sua vez)

c) Depende do momento e do horário (volte um espaço)

Continua...

Corrida da Vida (cont)

56 – Você precisa subir pro seu apartamento de escada. No caminho, encontra uma senhora com compras na mão. O que você faz:

Nada. Passa direto (Volte 2 casas)

Oferece ajuda (Avance 3 casas)

Chama alguém para ajudá-la. (Fique onde está)

62 – É seu aniversário e você ganhou um presente que não gostou. O que faz:

a) Não fala nada, mas faz uma cara... (Volte uma casa)

b) Agradece (Fique onde está)

c) Dependendo de quem deu o presente, reclama na hora. (Volte 2 espaços)

67 – Você caiu numa área duvidosa. Volte 2 espaços.

 

IMPORTANTE: O evangelizador deve destacar    que o mais importante nesse jogo não é ganhar e sim refletir como agiríamos em situações semelhantes. Isso porque algumas vezes mais de um jogador cairá na mesma casa e já saberá o ‘prêmio’ ou o ‘castigo’. Fizemos esse jogo com o Terceiro Ciclo e foi muito legal, eles conseguiram captar bem o espírito da coisa.

 

Conclusão:

Usamos esse jogo na nossa aula sobre reencarnação e como encerramento, lembramos que a nossa vida é feita de escolhas. E são as nossas escolhas que vão determinar o que somos hoje e como seremos na nossa próxima encarnação.

 

Outros temas possíveis: Amor à verdade, Liberdade e limites;  Relações do homem com a sociedade.

                                    Que mais você sugere? 

Parábolas

Incentivação inicial

 

Os evangelizadores deverão perguntar aos evangelizandos de que forma Jesus transmitia seus ensinamentos. Deverão também perguntar e explicar o que são parábolas.

Os evangelizadores deverão ler pausadamente as seguintes parábolas:

 

PARÁBOLA DO SEMEADOR

PARÁBOLA DO FILHO PRÓDIGO

PARÁBOLA DO BOM SAMARITANO

PARÁBOLA DOS TALENTOS

PARÁBOLA DO JOIO E DO TRIGO

PARÁBOLA DO CREDOR INCOMPASSIVO

A PARÁBOLA DO FARISEU E DO PUBLICANO

PARÁBOLA DA OVELHA PERDIDA

PARÁBOLA DO GRÃO DE MOSTARDA

 

Os evangelizadores deverão explicar o significado das palavras que eles podem não entender (fariseu, publicano, etc...), mas não podem explicar o significado das parábolas.

 

Dinâmica: Jogo da memória

 

Os evangelizandos irão brincar de jogo da memória, utilizando as imagens das parábolas (ver abaixo).

 

Regras:

- O primeiro que acertar o par de imagens, deverá segurá-las e sair do jogo, de modo que todos tenham a chance de acertar pelo menos uma vez.

- Quando todos tiverem com um par de imagens na mão, os evangelizandos irão perguntar a cada um a que parábola corresponde a imagem e o que ela quer nos passar.

- Se o evangelizando acertar,  continua com as imagens. Se errar, será a chance de outro que, acertando, ficará com as imagens. Se ninguém acertar, as cartas voltarão para os evangelizadores

-Ganhará quem tiver mais pares nas mãos

 

Conclusão

 

As parábolas são instrumentos usados por Jesus para passar suas mensagem de maneira a ser entendida pelo povo da época.

 

Jogo da Memória:

 

 Parábola do Bom Samaritano

 

 O Filho Pródigo

 

 Parábola do Joio e do Trigo

 

 Parábola do Semeador 

 

 Parábola dos Talentos

 

 Parábola do Credor Incompassivo

 

 Parábola do Fariseu e Publicano

 

 Parábola da Ovelha perdida

 

 Parábola do Grão de Mostarda

 

Modo de Fazer:

 

Copie as imagens (duas de cada) para um editor de texto (Word, por exemplo). Redimensione para o tamanho desejado.

Lembrar de não copiar o texto, só as imagens.

Imprimir e colar em papel mais duro, como cartolina, papel cartão etc.

Recortar todos do mesmo tamanho.

Como eu tinha uma folha de cartão de visitas em branco, colei nela, para ficar tudo no mesmo tamanho.  

 

Boa aula! 

 

 

Fora da Caridade não há salvação

Dinâmica inicial 

Enrolar os braços dos participantes com cartolinas de modo que não possam dobrar os braços. Dar um bombom para cada um dizendo que podem comê-lo.
Alguns poderão pensar que é um teste de habilidade, mas muitos perceberão que se abrir o seu bombom e der na boca do outro, este fará  o mesmo consigo e todos comerão os bombons.

 

Resgate

Relacionar a dinâmica com o tema: “Fora da Caridade não há salvação”.

Perguntar e explicar os significados de ‘caridade’ e ‘salvação’.

Ressaltar que a caridade é o amor em ação e pode ser praticada por todos. Pedir que citem exemplos de como ser caridoso.

 

Considerações finais

 A caridade pode ser material ou não, pode ser realizada por ricos, pobres, não depende da idade, da saúde, da religião, do lugar em que se está.

 

Baseada em aula  que não consegui achar de onde tirei. Quem souber a fonte, escreva aqui. 

150 anos de Espiritismo

Amigos,

Essa semana é muito importante para nós, pois comemora-se o aniversário do Livro dos Espíritos e, conseqüentemente, o marco inicial da Doutrina Espírita tal como a conhecemos atualmente. Abaixo, algumas sugestões de atividades:

Caça ao Tesouro:

Sábado passado utilizei com meus evangelizandos da Mocidade uma brincadeira muito legal: Caça ao Tesouro.

Coloquei em vários locais do Centro, dicas escondidas. Cada dica levava a um lugar que continha outra dica, até eles chegarem ao final, onde estava o tesouro. O que está em negrito era o que estava escrito no papel da dica. Em itálico, o local que eles deveriam adivinhar e procurar a dica seguinte. 

1- Estou desejando boas-vindas!  (Mural da Evangelização)

2- Depois de alimentar o espírito, é hora de alimentar o corpo. Sou o suporte para um grande momento do dia. (Mesa do lanche que ocorre depois da aula)

3- Depois de estudar é hora de participarmos de uma transmissão de fluidos. Aonde isso ocorre? (sala de passe)

4 - Ih... Esqueci meu livro. Onde acho um para acompanhar o estudo da Codificação? ("Estante Biblioteca")

5- Há algum tempo atrás, prometeram um mutirão para me organizar e me transformar numa biblioteca. Mas, continuo sendo uma sala quase esquecida. (Uma salinha 'desativada')

6- Sem elas, nosso estudo seria muito mais cansativo. Só temos que tomar cuidado para não relaxar demais e dormir, principalmente nas acolchoadas. (Cadeira)

7- Alguém presta atenção nos avisos? Hoje há um ‘aviso especial’ no local destinado a isso. (Mural de recados)

8- Sou ‘amada’ por todos. Controlo o tempo das atividades e sou um pouco barulhenta. (É uma vaquinha que é timer de cozinha, que uso pra controlar o tempo)

9- Para ‘subir na vida’ é preciso disciplina, estudo, trabalho, dedicação... Isso tudo leva tampo. Mas se você quiser subir na vida exatamente agora, o que deve utilizar? (Escada)

 

Bem, na escada deixei uma caixa com vários Livros dos Espíritos dentro. Como o grupo é pequeno e o livro de bolso custa R$5,00, consegui comprar um para cada um. Na caixa estava escrito: "Parabéns, vocês acabaram de encontrar um tesouro. Eles deverá ser dividido entre todos da Mocidade". Mas, em grupos maiores sei que fica difícil fazer isso, então sugiro que se coloque só um e que a teor da mensagem seja mudado. Depois de sitribuídos os livros, perguntei a cada um por que o livro dos espíritos era um tesouro. Ouvi as opiniões e depois conversamos sobre o início da codificação. Foi bem legal!  

 

Na aula seguinte, que será desse sábado, vou falar um pouco mais da Codificação. Como dinâmica inicial, vou fazer um jogo do estilo "Imagem & Ação" (uso essa dinâmica com contextos diferentes, mas eles sempre gostam e querem mais), usando palavras relativas à Doutrina, tais como:"Reencarnação", "Caridade", "Deus", "Mediunidade", etc. Vou dividi-los em duplas. A primeira dupla sorteará uma palavra e uma pessoa tentará representar em desenho. Caso os outros amigos não consigam a adivinhar, o outro membro da dupla tentará por mímica e assim por diante. Como resgate,  vou trabalhar a respeito das comunicações no início da Codificação. Começou com batidas com as irmãs Fox, depois a cesta de bico, depois as comunicações psicográficas e psicofônicas... Os meios de comunicar variaram, mas a mensagem geral era a mesma.

 

Depois conto se deu certo

Prece

Essa aula foi baseada numa dinâmica retirada do site Seara do Mestre. Funcionou muito bem com o terceiro ciclo e com a Mocidade e pode ser adaptada para outros ciclos.


Tema: CONDIÇÕES NECESSÁRIAS À EFICÁCIA DA PRECE

Conteúdos mínimos: ESE, cap. 27: Pedi e Obtereis, itens 5-8: Eficiência da Prece

 

Dinâmica inicial:

 

Cada evangelizando receberá um pedaço de chocolate e os evangelizadores pedirão que eles o saboreiem, deixem-no derreter na boca, enfim, que comam bem devagar. Os evangelizadores deverão perguntar se gostaram do chocolate e o que aconteceria se engolissem o chocolate rapidamente, sem mastigar, sem saborear.

 

Resgate da dinâmica:

Os evangelizadores vão explicar que, quando fizemos nossas preces sem pensar, com pressa, sem sentimentos, é como comer o chocolate sem sentir o gosto, não fica o gosto em nossa boca, é quase como se não tivéssemos comido.

Se oramos com amor e sinceridade no coração, com calma, pensando no que estamos fazendo, é como comer o chocolate devagarinho, saboreando-o, com vontade, sentindo o gosto do chocolate que fica na boca.

Após explicar o significado das palavras “fariseu” e “publicano”, os evangelizadores deverão ler a parábola e conversar sobre ela.

 

Considerações finais

Os evangelizadores explicarão a importância da prece, pois, embora Deus conheça nossas necessidades, somos providos de inteligência e livre-arbítrio para tentar evitar o mal. Explicarão também que há diversos tipos de prece: de agradecimento, de louvor, de pedido e que há preces espontâneas e decoradas.

Amor a Deus

Primeiro momento: utilizar o texto "O farmacêutico ateu" (texto nos posts abaixo). Como havia 3 evangelizadores, encenamos como esquete. Pode ser lido como história ou pedido para que os evangelizandos encenem.

 

Segundo momento: resgate do texto.

Perguntar aos evangelizandos:

- O que eles acharam da atitude do farmacêutico;

- Se ele era ateu, por que ele resolveu orar?

- Deus atendeu às suas preces? Como sabemos?

 

Terceiro momento: conclusão

Os evangelizadores deverão fazer o fechamento expondo as conclusões contidas no LE, parte III, cap. 2, q. 360:

O amor a Deus está contido na Lei de Adoração. A adoração é um sentimento inato, como o da existência de Deus. A consciência de sua fraqueza leva o homem a curvar-se diante daquele que o pode proteger.

A submissão à vontade de Deus e o amor ao próximo são as maneiras de demonstrar-Lhe o amor “.

Esquete – O farmacêutico ateu

 

Narrador – Evaristo era um homem muito bom e cumpridor de seus deveres. Tinha princípios retos, mas simplesmente não encontrava espaço em suas cogitações íntimas para a existência de Deus.

Certa feita, fechava a farmácia quando entrou uma jovem.

 

Evaristo - Sinto muito, minha filha. Estou de saída...

 

Jovem -- Por favor, senhor farmacêutico, é muito importante. Trago uma receita para minha mãe. Está gravemente enferma. Deve tomar o remédio imediatamente. Corre risco de vida!

 

Narrador – Antigamente, os medicamentos eram preparados na própria farmácia. O farmacêutico atuava como químico a misturar substâncias. Serviço demorado. Daí sua relutância. Tinha um compromisso.

Mas, vendo a jovwm tão aflita, decidiu atendê-la.

Apanhou a receita, foi ao laboratório e rapidamente preparou o remédio com a mistura recomendada.

A menina pagou, agradeceu e partiu, apressada.

O bom homem voltou ao laboratório para guardar o material usado.

Estarrecido, verificou que na pressa havia trocado vidros, usando uma substância extremamente tóxica que, se ingerida pela mulher, provocaria sua morte.

Apavorado, correu à entrada da farmácia, olhou a rua em todas as direções, foi até à esquina... Não mais viu a menina.

 

Evaristo - E agora? Não conheço a paciente. Não reparei no nome do médico. Não há menor chance de desfazer o engano!

 

Narrador – Evaristo, atormentado, sentindo-se na próximo de converter-se num criminoso, matando a pobre mulher com o seu descuido, caiu de joelhos e, erguendo o olhar, falou, suplicante:

 

Evaristo -- Deus! Por favor, ajude-me! Não quero transformar-me num assassino!

 

E chorava copiosamente, repetindo:

Evaristo  -- Ajude-me! Ajude-me! Por misericórdia, Senhor!

 

Alguém tocou de leve em seus ombros.

Voltou o olhar assustado.

Então, num misto de espanto e alívio, viu que era a jovem.

 

Jovem -- Ah! Meu senhor, uma coisa terrível aconteceu. Tão afobada eu estava a correr, na ânsia de levar o remédio para minha mãe, que caí, não sei como. O vidro escapou-me das mãos e se espatifou. Não tenho dinheiro para outra receita. Por favor, atenda-me, em nome de Deus!

 

O farmacêutico suspirou emocionado.

Evaristo -- Sim, sim, minha filha! Fique tranqüila! Eu lhe darei o remédio, em nome de Deus!

 

Narrador – Evaristo preparou uma nova receita, agora com muito cuidado, sem pressa. Entregou o medicamento à menina e recomendou-lhe prudência.Depois fechou a farmácia e, ajoelhando-se novamente, murmurou em meio a lágrimas ardentes:

Evaristo -- Obrigado, meu Deus!

(Baseada no texto ‘O ateu e o á-toa’ - do livro “A presença de Deus”, de Richard Simonetti)

Elementos gerais do Universo

Incentivação inicial:

Relembrar que existem 2 elementos gerais no Universo: O espírito e a matéria. Questionar a diferença entre os 2, explicando que o espírito é o princípio inteligente e que a matéria é o elo que prende o espírito.

 

Desenvolvimento:

Propor uma dinâmica, para comprovar que o Espírito precisa da matéria para se manifestar.

 

- Vendar os olhos de um evangelizando e pedir para que pegue um objeto na sala

- Amarrar as mãos de um evangelizando para trás e pedir para que pegue uma bala, abra e chupe

- Amarrar os pés de outro evangelizando e pedir para que caminhe pela sala

- Tapar a boca de um evangelizando com fita crepe e pedir que repita uma frase

 

Conclusão:

 

Concluir que Espírito é o princípio inteligente, mas ele necessita da matéria para viver no mundo material e agir sobre as coisas que nele existem e que também são materiais.

 

 

Existência e sobrevivência do Espírito

Conteúdos mínimos:

"Do ponto de vista corpóreo e puramente anatômico, o homem pertence a classe dos mamíferos (...). Mas, e a nossa parte que "pensa" e que "sente" de onde vem ? O espírito é o princípio inteligente do Universo. A existência e sobrevivência do espírito é comprovada pelas manifestações mediúnicas, pelas lembranças das vidas anteriores. A Lei de evolução justifica a sobrevivência do Espírito.” – A Gênese,   cap. 10.

Espírito é o princípio inteligente do Universo (...). Não é fácil explicar o Espírito com vossa linguagem. Para vós não é nada, visto que o espírito não é algo palpável, mas para nós é alguma coisa. Sabei bem: o nada não existe”. – O Livro dos Espíritos, parte I, perguntas 23-27

 

Incentivação inicial:

Expor uma planta, um bicho de pelúcia e uma pessoa (um evangelizando voluntário ou um evangelizador). Pedir para que eles discutam as principais semelhanças e diferenças entre esses 3 tipos de seres vivos. Eles devem chegar à conclusão que a inteligência dos seres humanos é proveniente do espírito.

 

Discutindo a existência e a sobrevivência do espírito:

Os evangelizandos se dividirão em 2 grupos e cada grupo receberá a "missão" de convencer um cético da existência do espírito (pode ser um dos evangelizadores ou um convidado). Os grupos receberão um 'kit' com diversas palavras* e eles deverão decidir quais são as mais adequadas para serem utilizadas em sua estratégia de convencimento.

Se houver mais de um evangelizador, um deles deverá percorrer os grupos como suporte na criação de argumentos e o outro, se fizer o papel de cético, deverá questionar o que for apresentado.

 

Trabalhando argumentos:

Os evangelizandos deverão confeccionar um pequeno cartaz para apresentar seus argumentos para o outro grupo.

 

Apresentação final:

Cada grupo irá expor seu cartaz, explicando os argumentos escolhidos.

 

Dependendo da maturidade e conhecimento da turma, funciona a partir do terceiro ciclo.

[ ver mensagens anteriores ]

O que é isto?
Visitante número: